quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Retrato-falado


Seguro seu existir em cada mão
Com garra, elas se abraçam
Cruzam-se na Estação da Luz
Choram meio-dia em olhos nus

Ouço o que acende seu silêncio
Velado pelos sons do círio
Indecifrável pelo termo da palavra no ar
Não teremos tempo para encontrar

Quando um dia for Sol completo
Riremos de tudo isso, eu suspeito
O retrato-falado me diz que é a sua face
Desconheço você, a memória apagou-se.




x X x X x
Complemento por trás do suplemento de hoje: Eis parte do que me deu inspiração para continuar os rabiscos existentes previamente no caderno.

Um comentário:

  1. Nossa Amor, que belo trabalho
    adorei essa nova face que demonstrou neste trabalho...

    Meus parabens
    como todo seu trabalho, este esta maravilhoso

    Te amo minha Musa
    Bjão

    ResponderExcluir